illu-action-online-consultation-doctor-patient-call-2-2-1

Liberada há menos de dois meses como uma resposta à pandemia de Covid-19, a Telemedicina ainda tem gerado dúvidas e estimulado muitos aprendizados entre pacientes e profissionais da saúde.

Justamente por se tratar de uma novidade, trouxemos algumas boas práticas para orientar os atendimentos online e garantir seu sucesso neste período de isolamento social. Para isso, fomos ouvir especialistas que já estão atendendo pela telemedicina, além de buscar referências internacionais, em países em que atendimento online já era realidade, como é o caso da Inglaterra, com NHS.

6 boas práticas para as consultas online

1| Instrua previamente como o paciente deve se conectar.

Assim que a consulta for marcada, envie o link para a sala virtual onde você e o paciente realizarão a videochamada, ou informe o aplicativo que você utiliza. Como no Brasil não existe uma ferramenta padrão para as teleconsultas, essa instrução prévia é muito importante para o paciente se preparar e não se atrasar para atendimento. 

Outra dica importante é orientar que ele já pense em um local tranquilo e sem interferências para se conectar.

 

2| Solicite o aceite do termo de consentimento

Como já informamos neste post, o termo de consentimento não é obrigatório nas consultas por telemedicina - exceto por determinação da medida de isolamento -, mas ele é extremamente recomendável. O documento assegura que o paciente esteja informado sobre as determinações da teleconsulta, além de demonstrar como você manipula as informações geradas durante atendimento. 

O ideal é que este termo seja enviado ao e-mail do paciente e que ele te responda com o aceite. Caso a consulta seja marcada pela Doctoralia, o termo é solicitado automaticamente, antes do paciente concluir pagamento.

3| Eduque o paciente a criar um roteiro

illu-people-patient-opinion-flow-add-description

Educar o paciente contribui para a entrevista clínica. Por isso, assim que a consulta é marcada, peça que ele anote todas as dúvidas, sintomas e perguntas antecipadamente para não se esquecer de nada durante a videochamada. 

Como as consultas virtuais ainda são novidade para todo mundo, esse procedimento tornará o seu contato com o paciente mais objetivo e produtivo. 

Se preferir, você mesmo pode enviar algumas perguntas que considera importantes e pedir para que o paciente responda-as online. E quando se trata de um paciente frequente, é indicado ter todos os seus dados em um prontuário eletrônico para ajudar o acesso ao seu histórico e o preenchimento de novas informações.

4| Lembrete minutos antes

Um dos maiores ganhos das consultas online para pacientes é, sem dúvidas, economia de tempo com locomoção até seu consultório. Nada pode ser mais vantajoso do que ganhar tempo nos dias de hoje.

Ainda assim, será muito gentil da sua parte lembrar seus pacientes alguns minutos antes da consulta começar. Isso não colabora só para diminuir no-shows (que também podem acontecer na internet), como também servirá para que eles comecem a se preparar alguns minutos antes para a chamada. 

É possível usar softwares que fazem disparos automáticos desses lembretes para o celular do paciente, ou ainda enviá-los manualmente - por isso, também nunca deixe de solicitar o celular de seus clientes no momento do cadastro.

5| Cobrança pelas consultas

A definição do valor cobrado pela teleconsulta e a forma de pagamento ficam totalmente a critério do especialista. 

Idealmente, a cobrança deve ser feita sempre antes do atendimento acontecer. Por isso, no momento da marcação da consulta, não deixe de informar o valor, sua política de retorno, método de pagamento e convênios que você atende. 

6| Prescrição eletrônica de receitas.

A emissão de receitas médicas online está permitida pela portaria Portaria 467/2020,  mas é preciso orientar o paciente sobre algumas restrições: 

Por determinação da Anvisa, esse tipo de documento não tem validade em caso de alguns medicamentos controlados. Outro ponto importante é que a prescrição digitalizada (cópia digitalizada de uma receita emitida manualmente) não é reconhecida pelas farmácias, devendo conter assinatura certificada pela ICP-Brasil ou outra tecnologia equivalente.

Evidentemente, a Telemedicina nunca vai substituir totalmente a consulta presencial e o contato humano - inclusive, muitos profissionais orientam que o paciente busque as urgências quando percebem a necessidade de um exame ou avaliação física durante o teleatendimento. 

No entanto, a modalidade é uma ferramenta importante para ampliar o acesso à saúde durante o isolamento social, ajudar profissionais da saúde a gerenciarem a carga de trabalho e pacientes acompanharem seus tratamentos.


Mais: especialistas que aderiram a Telemedicina durante a pandemia da Covid-19 falam sobre suas experiências.